Como esperado, o e-commerce registrou uma expressiva alta na esteira da pandemia do novo coronavírus. Nos primeiros quinze dias de março, o varejo eletrônico teve uma alta de 40%, de acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm). 

Leia também: O que pode e vale comprar via e-commerce para não sair de casa durante pandemia

e-commerce
shutterstock
Compras online, e-commerce, cartão

Ainda segundo a origanização, algumas lojas virtuais tiveram um aumento de mais de 180% em compras nas categorias de alimentos, bebidas, beleza e saúde. O e-commerce , uma modalidade que já experimentava crescimento sustentável no comércio brasileiro, se firmou como uma alternativa confiável e oportuna nesses tempos de isolamento social.

No entanto, é preciso ter cuidados. Os consumidores devem dar preferência às lojas virtuais de referência, com credibilidade e ampla estrutura no País. Como a Amazon, que disponibiliza, inclusive, um programa de fretes gratuitos para assinantes de seu pacote de benefícios

Atenta às necessidades dos brasileiros nesses tempos tão incomuns, a Amazon criou páginas especiais para quem precisa se reinventar para trabalhar em casa , para quem precisa  treinar em casa e até para quem precisa de novas ideias para cozinhar .

*O iG pode ganhar comissões sobre as vendas originadas a partir deste artigo

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários