Atenção Primária à Saúde: Prioridade Global e urgência nacional
prnewswire.com
Atenção Primária à Saúde: Prioridade Global e urgência nacional

É preciso desmistificar o modelo de gestão da saúde conhecido como Atenção Primária à Saúde no Brasil

Kipp Saúde, empresa do grupo Omint com modelo de APS em planos individuais prioriza o atendimento perene ao paciente com médico 24hs e enfermeira de família

SÃO PAULO , 29 de abril de 2022 /PRNewswire/ -- O surgimento de Atenção Primária à Saúde (APS) foi descrito pela primeira vez na Inglaterra nos anos 20 do século passado, e foi protagonista no que seria a criação e organização de sistemas de saúde ao redor do mundo. Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), a atenção primária à saúde (APS) é geralmente o primeiro ponto de contato, oferecendo atendimento abrangente, acessível e baseado na comunidade, que pode atender de 80% a 90% das necessidades de saúde de uma pessoa ao longo de sua vida. Na sua essência, a APS cuida das pessoas e não apenas trata das doenças ou condições específicas, oferece o cuidado menos intervencionista possível e mais custo-efetivo para os pacientes.

A Atenção Primária à Saúde (APS) fornece o 'motor programático' para a Cobertura Universal de Saúde (CUS), os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) relacionados à saúde e à segurança sanitária. Esse compromisso foi codificado e reiterado na Declaração de Astana, na Resolução 72/2 da Assembleia Mundial da Saúde que a acompanha, no Relatório de Monitoramento Global de 2019 sobre a cobertura universal de saúde e na reunião de alto nível da Assembleia Geral das Nações Unidas sobre cobertura universal. A United Healthcare (UHC), os ODS relacionados à saúde e as metas de segurança sanitária são ambiciosos, mas alcançáveis. O progresso deve ser acelerado com urgência, e a Atenção Primária à Saúde (APS) fornece os meios para isso.

Diversos países utilizam o sistema de APS no seu modelo de gestão da saúde, sendo que dentre eles, Dinamarca, Canadá e Suécia com os melhores índices de desenvolvimento humano (IDH) segundo ranking de 2020 da Organização das Nações Unidas (ONU). Reino Unido, Espanha, Portugal , Costa Rica , Chile , Cuba , também são países nos quais a atenção primária à saúde é o modelo de gestão adotado, que desde 1990 recebeu implementações em reformas organizacionais com o objetivo de promover a coordenação dos serviços prestados entre os diversos níveis de atenção, resultando em novos arranjos organizacionais de oferta desses serviços.

"O modelo de Atenção Primária à Saúde (APS) é o conceito principal na Kipp Saúde, empresa de planos individuais do Grupo Omint. O médico de família e a enfermeira de família são os profissionais que conhecem o paciente de forma integral e realizam o acompanhamento 360º. Desde o primeiro atendimento, chamado também de acolhimento, a enfermeira de família conversa, analisa e identifica o perfil de cada paciente de acordo com as necessidades, dificuldades, objetivos de vida... ou seja, é um plano personalizado para atender as expectativas de cada um. A jornada do paciente dentro da Kipp Saúde é acompanhada de perto por esses profissionais e por uma equipe multidisciplinar composta por educador físico, nutricionista, psicólogo, terapeuta ocupacional e fonoaudióloga.  O paciente entra em contato via Kippfone para demandas urgentes ou apenas para orientações de saúde e pelo aplicativo para os agendamentos das consultas, e assim o cliente recebe o atendimento da sua equipe (que já o conhece, pois já possuem seu prontuário)", explica Marcos Loreto , diretor médico da Omint.

No Brasil

Promovendo o acesso à saúde de diversas pessoas, a atenção primária tem uma grande importância para a melhoria da qualidade de vida nacional. Além do mais, esse atendimento médico também ajuda no diagnóstico precoce de complicações, o que possibilita maiores chances de alcançar um tratamento efetivo. A  abordagem familiar  é um dos princípios da Atenção Primária.

A Estratégia Saúde da Família ( ESF ) é uma iniciativa criada em 1994, que visa garantir os cuidados com a saúde de toda a família, integrando o atendimento médico básico de todos os moradores de uma residência, a fim de avaliar também os casos em conjunto, principalmente no que diz respeito às  doenças hereditárias  e questões sanitárias.

A Atenção Primária é um dos pilares do atendimento médico brasileiro. Com ela, é possível oferecer mais acesso aos níveis de atenção complexos e, assim, prevenir e tratar inúmeras doenças, promovendo mais bem-estar para toda a população.

Em se tratando de sistemas privados, o que se vê são cada vez mais healthtechs oferecendo o modelo da atenção primária. De acordo com o Distrito HealthTech Report  2020 , durante a pandemia, o Brasil teve um aumento de 118% no número de healthtechs na comparação de 2020 e 2018, passando de 248 para 542 empresas do setor.

Os desafios ainda são grandes para o Brasil que está inserido em um modelo em que a prevenção é pouco abordada e praticada. A população vive cada vez mais, porém o cultivo de hábitos saudáveis e as práticas de medicina preventiva, atendimento integral ao paciente com foco na saúde e não na doença ainda são realidade.

Desmistificar a Atenção Primária à Saúde (APS) e aprimorar a jornada do paciente como prioridade no atendimento, no centro da atenção com o médico que o acompanha desde o primeiro instante é investir na qualidade de vida da população em geral, nos índices de mortalidade, nas ações de prevenção, diagnóstico precoce e no planejamento estratégico da saúde, resultando na sustentabilidade da cadeia e no acesso a um atendimento de qualidade. 

Por quê investir em Atenção Primária à Saúde (APS)

"A Atenção Primária à Saúde (APS) é uma abordagem de saúde de toda a sociedade que visa garantir o mais alto nível possível de saúde e bem-estar e sua distribuição equitativa, concentrando-se nas necessidades das pessoas e o mais cedo possível ao longo do continuum da promoção da saúde e prevenção de doenças para tratamento, reabilitação e cuidados paliativos, e o mais próximo possível do ambiente cotidiano das pessoas". OMS e UNICEF. 

Enraizada em um compromisso com a justiça social, equidade, solidariedade e participação. Baseia-se no reconhecimento de que o acesso ao mais alto padrão possível de saúde é um dos direitos fundamentais de todo ser humano, indistintamente. Visa garantir que as pessoas tenham acesso a serviços abrangentes de promoção, proteção, prevenção, cura, reabilitação e cuidados paliativos ao longo da vida, priorizando estrategicamente as principais funções do sistema voltadas para indivíduos, famílias e para a população em geral como elementos centrais da prestação de serviços integrados em todos os níveis de atenção.

Atua de forma sistemática em todos os âmbitos (incluindo características e comportamentos sociais, econômicos, ambientais, bem como das pessoas), por meio de políticas públicas e ações baseadas em evidências em todos os setores.

Empodera indivíduos, famílias e comunidades para otimizar sua saúde, como defensores de políticas que promovam e protejam a saúde e o bem-estar, como co-desenvolvedores de serviços sociais e de saúde por meio de sua participação e como cuidadores de si mesmos e de outras pessoas.

Para que a Cobertura Universal de Saúde (CUS) seja verdadeiramente universal, é necessária uma mudança de sistemas de saúde projetados em torno de doenças e instituições para sistemas de saúde projetados para pessoas, com pessoas.

Em todo o mundo, os investimentos na Atenção Primária à Saúde (APS) melhoram a equidade e o acesso, o desempenho dos cuidados de saúde, a responsabilização dos sistemas de saúde e seus resultados. É fundamental tornar os sistemas de saúde mais resilientes a situações de crise, mais proativos na detecção de sinais precoces de epidemias e mais preparados para agir antecipadamente em resposta a surtos de demanda por serviços.

Leia Também

Países que utilizam APS

O Reino Unido tem um dos formatos de gestão de saúde pública mais conhecidos e replicados no mundo, conhecido como National Health Service (NHS) que conta com orçamento anual de mais de US$ 170 bilhões ao ano. Os investimentos vêm do setor público e do Sistema de Seguridade Social. A partir da primeira consulta, o médico de família decide se encaminha ou não o paciente para um especialista, o que desafoga a rede e melhora a assistência com foco nos pacientes.

O Canadá estava em 9º lugar em 2017 como melhor sistema de gestão da saúde pública com investimento de cerca de US$ 300 bilhões em 2020 com grande volume de investimentos em tecnologia, especialmente em inteligência artificial para subsídio de diagnósticos e plataformas de consulta online.

Na América do Sul, o Chile é considerado o melhor sistema de gestão da saúde pública na foca na prevenção, atendimento precoce e diagnóstico de doenças associadas à idade, com destaque nos cuidados aos idosos. Seu orçamento em 2020 foi de US$ 9,9 bilhões.

Sobre a Kipp Saúde

Lançada em 2021, a Kipp Saúde é uma empresa do Grupo Omint que chega ao mercado com a missão de oferecer um novo jeito de cuidar das pessoas, destacando principalmente o acompanhamento contínuo da saúde. A Kipp Saúde carrega em seu DNA a expertise e a excelência do Grupo Omint, referência em qualidade há mais de 40 anos no Brasil. 

Para mais informações, acesse kippsaude.com.br  e acompanhe nossas redes Instagram , Facebook , LinkedIn e YouTube .

Fontes:

https://www.drgbrasil.com.br/valoremsaude/gestao-de-saude-publica/

https://www.paho.org/pt/topicos/atencao-primaria-saude

https://vidasaudavel.einstein.br/atencao-primaria/

https://www.healthcareers.nhs.uk/explore-roles/doctors/roles-doctors/general-practitioner-gp/general-practice-gp

https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/primary-health-care


Grupo Omint – Assessoria de comunicação

Tamer Comunicação – 11 3031-238

Glecinia Lopes – [email protected] –(11)98869-5048
Raquel Reis – 
[email protected] – (11) 95441-5826
Ana Claudia Bellintane - 
[email protected]  - 11 99849-5628

Foto -  https://mma.prnewswire.com/media/1807529/APS.jpg

FONTE Omint Saúde

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários