Opaganibe da RedHill Biopharma demonstra redução significativa da fibrose renal
prnewswire.com
Opaganibe da RedHill Biopharma demonstra redução significativa da fibrose renal

TEL AVIV, Israel e RALEIGH , Carolina do Norte, 9 de setembro de 2021 /PRNewswire/ -- A RedHill Biopharma Ltd.  (Nasdaq: RDHL) ("RedHill" ou a "Empresa"), uma empresa biofarmacêutica especializada, anunciou hoje os resultados de um novo estudo pré-clínico que demonstra a eficácia do opaganibe (ABC294640) [1] na redução significativa da fibrose renal em um modelo de fibrose intersticial renal induzida por obstrução ureteral unilateral. Os relatórios sugerem que mais de 20% dos pacientes internados com COVID-19 apresentam insuficiência renal aguda [2] .

A fibrose renal geralmente leva à perda da função do tecido e subsequente falência do órgão, com alta taxa de mortalidade. São necessárias, com urgência, novas pequenas moléculas terapêuticas para modular a fibrose. O objetivo do estudo de eficácia in vivo foi verificar o efeito do opaganibe na inflamação e fibrose renal em um modelo de obstrução ureteral unilateral (OUU), um modelo bem caracterizado de fibrose renal. Os resultados do estudo mostraram que o opaganibe diminuiu significativamente a fibrose renal.

"Um caminho final e comum na doença renal crônica é a fibrose, a formação de tecido cicatricial interno, que pode causar efeitos devastadores e pode levar à insuficiência renal em estágio terminal. Esses novos dados pré-clínicos, que demonstram a capacidade do opaganibe de reduzir a fibrose renal, juntamente com suas propriedades anti-inflamatórias observadas, posicionam o opaganibe como um novo tratamento potencial para milhões de pacientes que sofrem de doença renal crônica e potencialmente se estende a pacientes com COVID-19 com lesão renal aguda (LRA) que correm o risco de desenvolver fibrose renal", disseReza Fathi PhD, vice-presidente sênior de P&D da RedHill . "A lesão renal e sua progressão associada à fibrose são um aspecto importante na fase aguda da COVID-19 e da Long COVID (síndrome pós-COVID). Uma pesquisa recente mostrou que, após a lesão renal aguda, que sabemos que pode ser resultado da infecção da COVID-19, os rins com frequência não conseguem se reparar adequadamente e a esfingosina quinase-2 (SK2), que é inibida pelo opaganibe, faz parte deste processo. Estes resultados oferecem mais suporte para o extenso trabalho que estamos fazendo com o opaganibe no tratamento da COVID-19. Com a próxima leitura, esperamos obter mais informações sobre os resultados renais de pacientes hospitalizados com COVID-19 tratados com opaganibe em nosso estudo global de Fase 2/3."

A fibrose renal, um resultado comum da doença renal crônica (DRC), é caracterizada por um acúmulo e deposição excessivos de componentes de matriz extracelular (CME) e tecido fibroso. A fibrose renal pode levar à insuficiência renal em estágio terminal, uma enfermidade devastadora que exige diálise ou transplante renal. A DRC é uma doença muito comum, que afeta 15% dos adultos nos EUA [3] .

Estudos recentes demonstraram que pacientes infectados com SARS-CoV-2 correm maior risco de desenvolver danos renais, além de doença renal crônica e em estágio terminal, associados à morbidade e mortalidade nestes pacientes. Resultados sugerem que, além da fase aguda da doença, indivíduos que sobrevivem à COVID-19, mesmo aqueles que não precisaram ser hospitalizados, apresentam um risco maior de desenvolver as principais doenças renais adversas graves, como a DRC. Além disso, dados sugerem que aproximadamente 10% das pessoas infectadas com a COVID-19 podem apresentar Long COVID (sequelas pós-agudas), que potencialmente envolve resultados agudos relacionados aos rins [4] .

O opaganibe, um comprimido experimental de pequena molécula a ser administrado por via oral em desenvolvimento para o tratamento da COVID-19, é um medicamento único direcionado ao hospedeiro e de ação dupla antiviral e anti-inflamatória que atua sobre a causa e o efeito da COVID-19. Acredita-se que ele exerça seu efeito antiviral inibindo seletivamente a esfingosina quinase-2 (SK2), uma importante enzima produzida nas células humanas que pode ser recrutada pelo vírus para dar suporte a sua replicação. A fase de tratamento e acompanhamento do estudo global de Fase 2/3 do opaganibe com 475 pacientes hospitalizados com COVID-19 foi concluída e apresentou resultados excelentes.

As avaliações das taxas de intubação e mortalidade combinadas cegas do estudo de Fase 2/3 foram animadoras em comparação com as taxas de mortalidade relatadas por estudos de grandes plataformas, como o RECOVERY, e por outros estudos em populações de participantes semelhantes [5] . Além disso, o estudo de Fase 2/3 do opaganibe também passou por quatro análises do Conselho de Monitoramento de Segurança de Dados, bem como uma análise de futilidade, e amplia o banco de dados de segurança total do opaganibe para mais de 460 pacientes e indivíduos saudáveis. Dados positivos de Fase 2 dos EUA do opaganibe em pacientes com COVID-19 grave foram publicados recentemente no medRxiv . Além disso, o uso incentivado do opaganibe sob isenção de uso compassivo foi testado em Israel e na Suíça.

Sobre o opaganibe (ABC294640)

O opaganibe, uma nova entidade química, é um inibidor seletivo da esfingosina quinase-2 (SK2) administrado via oral, exclusivo e de primeira classe, com ação dupla anti-inflamatória e antiviral. O opaganibe tem o hospedeiro como alvo, e espera-se que seja eficaz contra as variantes emergentes do vírus. Ele já demonstrou forte inibição contra variantes de preocupação, incluindo a Delta . O opaganibe também demonstrou ação anticâncer e resultados pré-clínicos positivos na fibrose renal e também tem potencial para ser aplicado a diversas indicações oncológicas, virais, inflamatórias e gastrointestinais.

O opaganibe está sendo avaliado como um tratamento para a pneumonia causada pela COVID-19 em um estudo global de Fase 2/3 que concluiu o tratamento e acompanhamento dos pacientes com resultados excelentes. Dados positivos de Fase 2 dos EUA do opaganibe em pacientes com COVID-19 grave foram publicados recentemente no medRxiv .

O opaganibe também recebeu a designação de medicamento órfão da Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA, a FDA, para o tratamento de colangiocarcinoma e está sendo avaliado em um estudo de Fase 2a de colangiocarcinoma avançado e em um estudo de Fase 2 de câncer de próstata. Com base em uma análise preliminar de dados parciais não auditados, o estudo em andamento sobre câncer de próstata chegou a seu desfecho primário. O recrutamento, tratamento e análise dos pacientes neste estudo estão em andamento.

O opaganibe demonstrou ação antiviral potente contra o SARS-CoV-2, o vírus que causa a COVID-19, inibindo a replicação viral em um modelo in vitro de tecido brônquico de pulmão humano. Além disso, estudos pré-clínicos in vivo demonstraram o potencial do opaganibe de melhorar doenças inflamatórias pulmonares, como a pneumonia, e demonstraram redução das taxas de mortalidade por infecção pelo vírus influenza e melhora na lesão pulmonar induzida por Pseudomonas aeruginosa , reduzindo os níveis de IL-6 e TNF-alfa em fluidos de lavado broncoalveolar [6] .

Os estudos clínicos em andamento com o opaganibe estão registrados em  www.ClinicalTrials.gov , um serviço baseado na Internet do National Institute of Health dos EUA, que oferece acesso público a informações sobre estudos clínicos com apoio público e privado.   

Sobre a RedHill Biopharma   

A RedHill Biopharma Ltd. (Nasdaq: RDHL ) é uma empresa biofarmacêutica especializada dedicada principalmente a doenças gastrointestinais e infecciosas. A RedHill promove os medicamentos gastrointestinais Movantik ® para constipação induzida por opioides em adultos, Talicia ®  para o tratamento de infecção por Helicobacter pylori (H. pylori) em adultos e Aemcolo ® para o tratamento de diarreia de viajantes em adultos. Os principais programas de desenvolvimento clínico de estágio final da RedHill incluem: (i) RHB-204 , com um estudo de Fase 3 em andamento para a doença pulmonar por micobactérias não tuberculosas (NTM); (ii) opaganibe (ABC294640) , um inibidor seletivo por via oral de primeira classe da SK2 inédito com múltiplas indicações com um programa de Fase 2/3 de COVID-19 e um programa de Fase 2 de câncer de próstata e colangiocarcinoma em andamento; (iii) RHB-107 ( upamostat ), inibidor da protease serina em um estudo de Fase 2/3 dos EUA como tratamento para a COVID-19 sintomática e várias outras doenças gastrointestinais inflamatórias e câncer; (iv) RHB-104 , com resultados positivos de um primeiro estudo de Fase 3 para a doença de Crohn; (v) RHB-102 , com resultados positivos de um estudo de Fase 3 para gastroenterite aguda e gastrite e resultados positivos de um estudo de Fase 2 para a IBS-D; e (vi) RHB - 106 , um preparo intestinal encapsulado. Mais informações sobre a empresa estão disponíveis em www.redhillbio.com / https://twitter.com/RedHillBio .

NOTA: Este comunicado de imprensa, fornecido para fins de conveniência, é uma versão traduzida do comunicado de imprensa oficial publicado pela Empresa no idioma inglês. Para obter o comunicado de imprensa completo em inglês, incluindo a isenção de responsabilidade das declarações prospectivas, acesse: https://ir.redhillbio.com/press-releases

Contato da Empresa:

Adi Frish

Diretor corporativo e de desenvolvimento de negócios

RedHill Biopharma

Você viu?

+972-54-6543-112

[email protected]

Contatos para a imprensa:

EUA:  Bryan Gibbs, Finn Partners

+1 212 529 2236

[email protected]

Reino Unido:  Amber Fennell, Consilium

+44 (0) 7739 658 783  

[email protected]

[1] O opaganibe é um novo medicamento experimental, não disponível para distribuição comercial.

[2] Nadim, M.K., Forni, L.G., Mehta, R.L. et al. Lesão renal aguda associada à COVID-19: relatório de consenso do 25th Acute Disease Quality Initiative (ADQI) Workgroup. Nat Rev Nephrol 16, 747–764 (2020).

[3] Centros de Controle e Prevenção de Doenças – Doença Renal Crônica nos Estados Unidos, 2021

[4] Bowe B, Xie Y, Xu E, Al-Aly Z, Resultados Renais em Long COVID. JASN setembro de 2021

[5] Com base em dados preliminares cegos combinados de 463 participantes. A Empresa não realizou estudos completos de comparação na mesma população de participantes. A comparação teórica entre o estudo global de Fase 2/3 com o opaganibe e as taxas de mortalidade reportadas de estudos de grandes plataformas, como o RECOVERY, e outros estudos em populações de participantes semelhantes, serve como uma referência geral e não deve ser interpretada como uma comparação direta e/ou aplicável como se a empresa tivesse realizado um estudo de comparação completo.

[6] Xia C. et al. A inibição transitória da esfingosina quinase confere proteção a camundongos infectados com o vírus influenza A. Antiviral Res. outubro de 2018; 158:171-177. Ebenezer DL et al. A Pseudomonas aeruginosa estimula a geração da esfingosina-1-fosfato nuclear e a regulação epigenética da lesão inflamatória pulmonar. Thorax. junho de 2019;74(6):579-591.

Logotipo - https://mma.prnewswire.com/media/1334141/RedHill_Biopharma_Logo.jpg

FONTE RedHill Biopharma Ltd.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários