Aos poucos a vida vai voltando ao normal; ou, pelo menos, a uma percepção do que era normal antes da pandemia de Covid-19. Embora a pandemia ainda não tenha acabado, as restrições de circulação ficaram para trás e tudo indica que 2022 teremos um ano letivo tradicional. 

Volta às aulas
Pixabay
Volta às aulas

Se isso é motivo para celebração por pais, alunos e professores, os primeiros ganham uma preocupação extra que, em 2021, ficou adormecida: a necessidade de comprar material escolar.

Se habitualmente essa época representa um acúmulo de despesas, já que há impostos como IPTU e IPVA, por exemplo, nesse momento específico, com a economia do País trôpega e muitos brasileiros com uma renda menor, o material escolar exige um planejamento ainda mais elaborado.

O iG Mais ajuda nesse delicado equilíbrio com algumas dicas valiosas:

  • Faça um reavaliação do material usado

Antes de comprar qualquer coisa para o próximo ano letivo, verifique o que pode ser reaproveitado. De cadernos a material didático de crianças mais velhas.

  • Não compre tudo de uma vez

Alguns itens não precisam ser comprados no começo do ano como é o caso dos livros paradidáticos, que geralmente são divididos por bimestre. É recomendável, ainda, procurar os profissionais responsáveis da escola para discutir o que pode ser deixado para depois sem prejuízo pedagógico.

Leia Também

  • Compre material no atacado

Comprar itens pelo atacado já é uma medida de economia usada há muito tempo, porém, difícil de se fazer devido à grande quantidade de itens que devem ser comprados nessa modalidade.

Dividir as compras e as despesas com outros pais torna tudo mais barato, gerando uma boa economia e compensando bastante para todos os envolvidos.

  • Antecipar dá mais margem de economia

Em janeiro, os preços dos materiais escolares tendem a subir. Portanto, comprar pelo menos o essencial já em dezembro é uma boa estratégia de economia. Além de evitar as vilanescas filas e aglomerações.

  • Pesquise

Comprar com antecedência também favorece a pesquisa, o que é essencial, já que os preços podem variar até 50% nesse período.

Uma opção a ser levada em conta são as lojas virtuais, como a da Amazon, que tem um departamento dedicado à volta às aulas , as quais costumam oferecer preços mais vantajosos do que os cobrados pelas lojas físicas.

Confira ofertas abaixo

*O iG pode ganhar comissão sobre as compras originadas a partir deste artigo

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários